sábado, 18 de junho de 2016

Uma interpretação

Neste momento, sinto-me num momento de calma emocional, uma vez que atingi objectivos há muito traçados. Essa sensação permite-me, não só usufruir o momento, mas também aproveita-lo para tecer novos planos, sabendo que tenho a persistência para os levar a cabo.
Sinto-me plena de possibilidades, mas estas não são para seguir indiscriminadamente. São para ser analisadas, ponderando prós e contras, e seguir rumo ao que se apresentar mais profícuo a médio/longo prazo. As oportunidades surgem, mas também temos de as proporcionar, sabendo identifica-las e aproveita-las. Mesmo que isso implique declinar falsas miragens.
Das inúmeras possibilidades para as quais me sinto apta, uma é a de sentir-me predisposta a uma nova relação. É claro que, conhecendo-me, tenho de repudiar certas ilusões e confiar nas minhas capacidades e naquilo que sou e não deixar-me vencer pelas minhas fragilidades e inseguranças. Se a imagem que transmito é de (aparente) segurança, jovialidade e simpatia, isso não esconde o meu coração trespassado no passado, o meu medo de me abrir aos outros e de que a minha confiança, outrora inata, seja traída. E ainda, vezes demais, os meus medos levem a melhor.
Já na área profissional, as possibilidades desejadas multiplicarão escolhas, feitas com o coração e a cabeça e mantendo os rumos delineados.
Um dos próximos passos desejados é a prossecução dos meus estudos académicos. No entanto, embora considere não ser ainda o momento certo para os retomar, este virá ao meu encontro.
Quero caminhar rumo à minha concretização pessoal e profissional, que, em determinados momentos, serão o mesmo. Creio que o reconhecimento profissional poderá originar determinadas oportunidades que se refletem no nosso bem estar geral, tal como este nos deixa mais predisposto para novos desafios profissionais.
Essas oportunidades levarão a novas escolhas e essas, ainda que seguindo uma certa dose de instinto, terão de ser feitas racionalmente. Será essa consciência da necessidade de ser racional que me ditará a necessidade de afastamento e alguma solidão, até ao momento em que sinta que sentimentos, emoções e desejos amadureceram o suficiente para serem vividos.

Sem comentários:

Enviar um comentário