terça-feira, 5 de julho de 2016

O Imenso Adeus, Raymond Chandler

“Acontece todos os dias. Os tipos que julgamos menos capazes são aqueles que cometem os crimes mais incríveis.” p. 88
Esta foi a minha primeira incursão na escrita deste conceituado autor de literatura policial, mais conhecido pela sua personagem de Phillp Marlowe, detective privado, celebrizado pelo cinema, e que protagoniza esta história.
Para além dos diversos crimes, cujos perpetradores – spoiler alert - não são os suspeitos mais óbvios, pelo menos às autoridades, a história vale por algumas das reflexões que apresenta sobre o poder, os media, a literatura, as mulheres, as relações homem-mulher, o abuso de autoridade, a amizade masculina, entre outros.
Em termos de história, há uma mulher, bastante rica, que é assassinada. O suspeito óbvio é o seu marido que foge par ao México e é igualmente dado como morto. E é neste contexto que Marlowe conhece algumas das pessoas que conviviam com o casal e colocar as peças do puzzle no devido sitio.
Apesar de não me ter fascinado, apreciei a leitura e um destes dias voltarei à obra de Chandler, nomeadamente À Dama do Lago, considerado o seu melhor trabalho.

Tradução: Mário Henrique Leiria | Editora: Livros do Brasil | Local: Lisboa | Colecção: Vampiro Gigante | Ano: 1987. | Impressão: Oficinas Gráficas | Págs.: 324 | Capa: A. Pedro | Localização: BLX Olivais POL POL-EST CHA (80053568)

Sem comentários:

Enviar um comentário