segunda-feira, 25 de julho de 2016

Perder Teorias, Enrique Vila-Matas

 “… sabia que a literatura é uma invenção essencial dos homens? (…) Na realidade, é a criação mais valiosa da humanidade na sua tentativa de se entender a si mesmo.” p. 19
Cheguei a este pequeno livro através das sugestões do grupo do O que andamos a Ler? do Facebook, onde vou partilhando algumas leituras e alguns, escassos, registos sobre as mesmas. O que mais me chamou a atenção foi o título, Perder Teorias, e porquê? Embora nos estudos literários não possamos escapar às teorias, aos géneros, à tentativas de catalogar e esmiuçar a obra literária, considero que no momento da leitura, aquele momento de partilha íntima entre nós e o conteúdo do livro, as teorias são indiferentes. Em última análise, temos de ser nós e ele e o diálogo resultante entre ambos, sem expectativas ou imposições exteriores. Mais do que teorizar, temos de nos permitir sentir a obra, para que qualquer eventual poder transformador da mesma possa actuar. Pelo menos, assim deveria ser.
Perder Teorias relata-nos o processo de espera do narrador, quiçá Vila-MAtas, enquanto aguarda que um representante da organização que o convidou para uma palestra na cidade francesa de Lyon o contacte com pormenores sobre o evento e a sua participação no mesmo. Como o contacto tarda, o narrador predispõe-se, a partir de uma reflexão sobre a obra de Julien Gracq - cujo trabalho desconheço, mas que entretanto acrescentei às minhas intenções de leitura futuras – a escrever uma teoria geral do romance, estipulando aspectos que considera irrenunciáveis ao romance contemporâneo. A saber: a “intertextualidade”; as ligações com a grande poesia; a escrita vista como um relógio que avança; a vitória do estilo sobre a trama; e a consciência de uma paisagem moral nociva. Paralelamente, apresenta o romance como reflexo ou tentativa de compreensão da vida e se “interroga acerca do sentido da espera nessa longa espera que é a vida.” (p. 9)
Em jeito de conclusão, é um pequeno volume, de fácil leitura, que recomendo pela viagem simultaneamente simples e acessivel, com hipóteses e sugestões para aprofundar outras leituras, por alguns dos conceitos que norteiam a literatura e pela defesa de que para se escrever um romance há que deixar fora as teorias e passar à acção, ou seja, à sua escrita: “escrever directamente um romance, é um método muito directo de fazer teoria.” (p. 31)
Tradução: Jorge Fallorca | Editora: Teodolito (Edições Afrontamento) | Edição: 1ª | Ano: 2011, Setembro | Impressão: Rainho & Neves, Lda.| Págs.: 8 | ISBN: 978-989-97474-0-1 | DL: 332924/11 | Localização: BLX DMF 82-31/VIL (80336801)

Sem comentários:

Enviar um comentário