sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

#93.16 @ 103/1003: 40

Tenho estabelecido, nos últimos anos, ler 40 livros por ano, porque considero que é um nº exequível e ajustado ao meu ritmo de leitura. Que não é exactamente célere. E tem-se revelado o nº certo.

Na prática, leio muitos mais livros, mas opto por não incluir neste computo os livros infantis, que leio, quase exclusivamente por necessidade profissional, e sobre os quais me exijo outro tipo de reflexão mais funcional. Ou seja, leio-os sempre sobre a premissa da sua adequação, ou não, a uma actividade no âmbito da promoção do livro e da leitura. E isso reservo para outras reflexões.

Então, como chego às minhas opções de leitura? Uma das minhas intenções ao estabelecer objectivos de leitura (que à partida eram 16) é colmatar algumas lacunas no conhecimento de autores e géneros. Por exemplo, os clássicos (#97). No entanto, e como considero outras leituras prioritárias, acabei por desistir deste objectivo. Outros objectivos, optei por colocar em stand-by e, se tudo correr bem, dedicar-me-ei a eles no próximo ano. É o caso da leituras das obras vencedores de alguns prémios literários nacionais, como o Prémio Saramago e o Prémio Leya. Entre os atingidos, um dos que me orgulho é ter lido 10 livros de autoras nacionais, que, muito erroneamente, nem sempre constam nos hábitos de leitura de demais leitores.

Estou satisfeita com o percurso de leituras que fiz este ano e que, por diversos motivos, ainda não consegui deixar aqui um registo das minhas impressões sobre as mesmas. No próximo ano, e se tudo correr de acordo com as minhas expectativas, este percurso terá algumas alterações e será composto, no último semestre, por leituras mais técnicas, o que talvez implique o não cumprimento de todas as minhas intenções de leitura. A ver vamos. 

Sem comentários:

Enviar um comentário