terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Os Sinais do Medo, Ana Zanatti

"... são muitas as pedras que formam a felicidade e há sempre umas que nos escapam." (p.276)

A minha primeira incursão na escrita desta autora dá-se exactamente com o seu primeiro romance. Este versa sobre o tormento psicológico que pode ser a assumpção da homossexualidade devidos as expectativas e pressões sociais, sobretudo familiares. Para o demonstrar, Zanatti cruza diversas personagens: Maria do Carmo, Rita, Luís, Paulo, Flávia, Rosarinho, entre outras, cujas acções terão impacto (por vezes invisível) no desenvolvimento de cada personagem e das relações entre si. Salientado a importância da família no processo, não de descoberta, mas de aceitação e como essa necessidade é, na maioria das vezes, colmatada pela instituição de uma família alargada.
É uma história de descoberta de identidades e do seu papel na busca da felicidade. Em certos momentos, apresenta-nos diálogos que soam demasiado programáticos e no tom geral ressoa um grande impacto da psicologia, como forma de atingir esta busca e descobertas interiores. As personagens são, a meu ver, demasiado descritas, deixando pouco espaço a que as suas acções falem por si, deixando-nos, leitores, pouca margem para as nossas próprias interpretações sobre as suas características e incompletidudes.
Como primeiro romance, a história apresenta-se completa, em termos de mensagem, enredo e personagens. Estou curiosa para ler outro título da autora para perceber como é que a sua escrita evolui em termos de maturação e densidade.


Editora: Dom Quixote | Local: Lisboa | Edição/Ano: 2ª, Jun 2003| Impressão: Gráfica Manuel Barbosa | Págs.: 284 | Capa: Atelier Henrique Cayatte | ISBN: 972-20-2412-4 | DL: 197017/03 | Localização: BLX OR Rom-Por ZAN (80016119)

Sem comentários:

Enviar um comentário