segunda-feira, 20 de março de 2017

E as mulheres, Raduan?

Em rescaldo de leitura de Lavoura Arcaica e Um Copo de Cólera, de Raduan Nassar, dou por mim a reflectir nas suas personagens femininas e no papel que o autor lhes atribui. E que papel é esse? De subjugação.
Ana submete-se ao desejo de André e à autoridade do pai. No único momento em que tenta rebelar-se a consequência é fatal. X (chamei-lhe assim) tentar impor a sua voz a Y, mas este vence pelo desejo sexual. Seja em contexto familiar, seja numa relação a dois, as mulheres parecem sempre votadas à anulação como castigo para a instigação do que, eventualmente, será o lado negro dos homens: a sua incapacidade de ceder o poder ou autoridade. O desejo natural é castigado. O desejo de igualdade na relação é aniquilado.

Em última análise, a questão que se coloca é: poderá, sequer, haver relacionamentos sem relações de poder? Ou qualquer relacionamento é uma demonstração de poder? Porque, neste caso, a mulher é apresentada sempre numa posição de perda e impotência. 
Resta-me ler o último livro do autor, Menina a caminho, para inverter esta imagem que o autor me deixa. Será?

Sem comentários:

Enviar um comentário