terça-feira, 4 de abril de 2017

Clube dos poetas vivos

Dizem que é poeta
Olho e vejo a roupa de uma indistinta indumentária administrativa
Cabelo de demão desmaiada
Mala à tiracolo em tempos preta
Batom vermelho
Gritante arrepiante
Nada bate com a foto de há muitos anos continuamente exibida na guarda dos livros
(insistimos em manter a ilusão de juventude pela perpetuação de uma mesma inidentificativa foto)
(Photoshop possível de uma vida demasiado inalógica)
Ouço as palavras pelas diseures  (uma muito mal ensaiada)
Encontro poucos momentos de entendimento
E vago noutras direcções
Levada por diários dos dias ausentes
Enquanto roo as unhas na tentativa de me livrar
Deste excesso de mim 


2 comentários: