quinta-feira, 6 de julho de 2017

Menina a caminho, Raduan Nassar

“… a maior aventura humana é dizer o que se pensa.” (p. 75)
Este pequeno volume encerra 5 contos. E com a sua leitura encerro a minha leitura da contida obra de Nassar. Uma obra que, tida como emblemática, porque o autor considera que escreveu o que tinha de escrever e nada mais teria a escrever. E é exactamente esta atitude que lhe granjeou o nome e estatuto, mas que, analisando a obra, aos olhos de hoje, fico com a sensação de aquém. Ou seja, realmente o Lavoura Arcaica é uma obra admirável e com inúmeras leituras possíveis. Um Copo de Cólera apresenta-nos uma perspectiva das relações entre homem e mulher pouco usual.
Estes 5 contos têm uma nota mais humorística e visível intenção de depuração. Apenas o primeiro – que dá nome ao volume - é protagonizado por uma mulher, uma jovem púbere, oscilando entre a inocência, as incoerências dos adultos e a descoberta – sem juízos - do seu corpo. Todos os demais são protagonizados por homens. Nos dois últimos, as mulheres não estão sequer presentes. Mas o papel da mulher nas histórias de Nassar foi algo que me intrigou e creio ter chegado a uma conclusão. Nas relações homens-mulheres apresentadas a mulher é sempre um objecto de subjugação, como se estas fossem o único meio dos protagonistas exercerem algum tipo de poder e assim sentirem-se machos alfa. Mais, estas são sempre mais jovens. Ou seja, há sempre a relação e um homem mais velho que se deslumbra (à falta de melhor palavra) pela juventude e depois a despreza pela sua imaturidade e inconstância. E a sensação que me fica é que estes homens querem relações subjugáveis, mas depois não têm, ainda assim, poder para tal.

Editora: Cotovia | Local: Lisboa | Edição/Ano: Out. 2000 | Impressão: Tipografia Guerra | Págs.: 82 | ISBN: 972-8423-92-6 | DL: 156134/00 | Localização: BLX Galveias 082742 (00407266)

Sem comentários:

Enviar um comentário