quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Carta à minha filha, Maya Angelou

“Acabei por compreender que jamais poderei esquecer-me de onde vim. A minha alma irá sempre olhar para trás e admirar-se com as montanhas que subi, os rios que atravessei e os desafios que ainda tenho pela frente. Fico mais forte por saber isso.” (p. 106)
Maya Angelou é um nome maior na literatura e cultura americanas sobretudo pelo seu activismo em prol dos direitos civis e da mulher, estando alguma da sua poesia associada a momentos recentes da história americana.
Este livro é uma súmula das suas experiências, aprendizagens e lições que considera válidas transmitir às gerações seguintes de mulheres. Se o formato e algumas das lições parecem tornar este um livro de auto-ajuda (“Podes não controlar todos os acontecimentos da tua vida, mas pode decidir não deixar que eles te debilitem” p. 12), no entanto, a mensagem maior é: esta é a minha experiência, a partir das minhas circunstâncias. Foi a partir daqui que tirei as minhas conclusões, que me parecem válidas transmitir, para que não se percam, mas não quer dizer que sejam as vossas. (“o que eu sei pode não ser sempre verdade.” P. 116)

Título Original: Letter to my daughter | Tradução: Mª do Carmo Figueira | Editora: Estrela Polar (Leya) | Local: Alfragide | Edição/Ano: 1º, Out 2009 | Impressão: Multitipo, AG | Págs.: 186 | Capa: Margarida rolo | ISBN: 978-989-8206-35-0 | DL: 300099/09 | Localização: BLX PF 82-94/ANG (80272194)

Sem comentários:

Enviar um comentário