segunda-feira, 30 de outubro de 2017

A cruz de Santo andré, Camilo José Cela

“… a vida não tem argumento porque não tem costume, a vida é quase sempre muito desacostumada e monótona, a lógica do argumento decorre por caminho diferente da sua rijeza ou da sua desabilidade.” (p. 35)

Tal como à vida, a lógica (cronológica) deste livro escapa-nos. Intencionalmente. E se o torna um objecto de leitura complexa, também o torna catalisador de diversas reflexões. Tantas que dificilmente daremos conta, em tão curto espaço e com tão parca capacidade.
Por onde começar? Talvez pelo descalabro. Porque tudo é finito e a finitude não termina em apogeu. Termina após longa e apurada decomposição, e qualquer tentativa de fazer o registo para memória futura é inglório e “o mais prudente é procurar suportes ignóbeis e humilíssimos, suportes que não resistam à passagem do tempo.” (p. 69) Daí que o único suporte para o descalabro e para o excremento sejam rolos de papel higiénico.
E quem fará esse registo? Uma mulher ou as várias mulheres que é numa única vida? “… estes papéis estão a ser escritos por várias pessoas e são três, pelo menos, três mulheres, que falam na primeira pessoa quando lhes convém, eu sou apenas uma mulher amargurada porque tudo lhe saiu mal nesta vida, (.), não passo de uma mulher doente que vai indo para velha e que não consegue aguentar a solidão, … (p.49) Mulher(es) que no limbo ou no purgatório são interrogadas e julgadas por si, pelos pares, pela sociedade. E talvez seja esse julgamento em vida que evitam e talvez por isso a história ds mulheres seja quase inexistente, porque “Insisto em dizer-lhe, seu leitor estúpido, que nós, as mulheres, vulgares, temos uma história natural como as algas e os líquenes, …, mas não temos história sagrada…” (p. 49)
E no fundo o que são os homens e mulheres que se cruzam nestas páginas anacrónicas? são apenas “ a quinta-essência do pó mortal em que todos acabaremos por nos converter, não é possível que o homem e a mulher tenham sido criados por Deus à sua imagem e semelhança, Deus não permite tal cúmulo de imperfeições, seria ir contra a sua própria essência, a infinitude de Deus não alberga os erros infinitos, os erros que começam antes e acabarão depois do homem ter desaparecido, mas que têm principio e fim e, por conseguinte, não são infinitos.” (p. 14)


Título Original: La cruz de San Andrés | Tradução: José Carlos González | Editora: Diário de Noticias / Bibliotex Editor| Edição/Ano: 2003 | Impressão: Printer Portuguesa | Págs.: 158 | ISBN: 84-8130-564-2 | DL: B. 8864-2003| Localização: BECCE 82-31/CEL (80378983)

Sem comentários:

Enviar um comentário