terça-feira, 21 de novembro de 2017

Aleluia!, Bruno Vieira Amaral

A fé também é uma maneira de as pessoas encontrarem o seu lugar neste mundo, neste tempo. Não é só poesia, é prosa.” (p. 102)

Este ensaio é uma análise lúcida sobre fé pessoal, sobre religião organizada e, sobretudo, como por vezes esses caminhos parecem – para quem os percorre - incompatíveis e sujeitos a sentimentos demasiado subtis, muitos incompreensíveis, e até contraditórios e aleatórios.
Numa época em que vivemos uma celebração de cariz cristão, cujos valores da actual sociedade afastou do seu âmago, e estamos em rescaldo mediático de alguns escândalos de abuso de poder em organizações de responsabilidade social, a leitura deste pequeno livro – e algumas das suas observações – ajusta-se a este momento. Não para descrermos, mas – sem ser apologético - para serenarmos com o facto de que “No meio destas procuras individuais, haverá sempre charlatães e oportunistas, vendedores de mentiras que se aproveitam da fragilidade alheia.” (p. 102) Mas há também quem “ganhou um sentido, um propósito, e duvido que haja alguém que viva melhor sem um propósito.” (p. 103)
Editora: Fundação Francisco Manuel dos Santos | Colecção: Retratos da Fundação | Local: Lisboa | Edição/Ano: Jan 2015 | Impressão: Guida - AG | Págs.: 104 | Ilustrações: | ISBN: 978-989-8662-90-3 | DL: 386258/14 | Localização: Pax

Sem comentários:

Enviar um comentário