sábado, 18 de novembro de 2017

Os editores apostam na promoção da leitura?

Assisti, esta semana, à iniciativa “O que vamos ler em 2018? Receitas para leitores atentos?”, promovida pela Associação Nacional de Farmácias e que decorreu no, muito interessante, Museu da Farmácia, no Largo do Calhariz. Além de uma apresentação de sugestões de leitura, o encontro foi antecedido por um debate moderado por Luís Caetano (quando for grande quero ter esta capacidade de expressão, de articulação, de timming), sobre a edição, entre diversos editores nacionais, a saber: Diogo Madre Deus, pela Cavalo de Ferro; Mª do rosário Pedreira, pela Leya; Manuel Alberto Valente, pela Porto Editora; Francisco Vale, pela Relógio d’água; e Barbara Bulhosa, pela Tinta da china.
Como seria de esperar, foram abordadas questões como o mercado da edição, as experiências e apostas de cada editor, os hábitos de leituras nacionais, as perspectivas de futuro… bem o habitual. E não é que o habitual não tenha importância. Tem.
A minha questão é: porque é que nunca vejo um debate entre editores que aborde a questão da promoção da leitura? Ou seja, falam sempre dos (baixos) hábitos da leitura dos portugueses e das perspectivas poucos animadoras para o futuro devido à cada vez maior abrangência das tecnologias no nosso quotidiano. De quando a quando vem à baila a importância do Plano Nacional de Leitura e as incoerências e/ou incongruências. Mas o certo é que, até ao momento, nunca vi um editor que afirmasse algo do género: a nossa editora está a desenvolver um plano estratégico, em parceria com a instituição y, no sentido de apoiar iniciativas de promoção da leitura.
E não nos enganemos. As suas estratégias de promoção (comercial) do livro não são estratégias de promoção da leitura. São estratégias de mercado.
Porque é que nestes debates nunca vejo representadas as bibliotecas? Seja pelos seus responsáveis, seja pelos seus técnicos. Aqueles que quotidianamente fazem um trabalho sistemático de promoção do livro, da leitura e das literacias e que tem perspectivas diferentes sobre os hábitos de leitura dos portugueses. Na prática, e em última análise, os editores ganham, ainda que a longo prazo, com o nosso esforço, empenho e dedicação. Mas raramente os vejo ter uma palavra de apreço. Esquecem-se que se têm o público que têm, o devem muito a nós. Esquecem-se que, se o nosso trabalho cessar repentinamente, são eles que mais perdem a curto prazo. Mas a longo prazo, perde toda uma sociedade. E isso sim, é uma perspectiva negativa de futuro.

Então e que tal partilhar esforços e responsabilidades na criação de hábitos de leitura para o futuro? Pensem nisso, senhores editores… Agradeço!

Foto de Museu da Farmácia.

Sem comentários:

Enviar um comentário