terça-feira, 20 de março de 2018

A mulher do poeta, Adelaide Bernardo

A mulher do poeta sabe que apenas algumas palavras são sobre si.

Derrama lágrimas ocasionais ao perceber outros corpos nas suas palavras.

Mas a beleza das palavras surpreende-a sempre, porque a mulher do poeta ama-o por amor à poesia.

A sua dádiva é o lar de alguém que não pretende subjugar as palavras. Ela sabe-se há muito subjugada por elas. Elas são as grandes subjogadoras.

A mulher do poeta acarinha-o puerilmente. Aceita que não haverá outras crianças. Que o poeta apenas tem olhos para as palavras mesmo quando estes se distraem noutros corpos ávidos de palavras, mas sem a sua serenidade.

A mulher do poeta sente o que este não sente, vê o que este não vê.

Mesmo sem o registo do seu corpo, ela sabe que aquelas palavras também são suas.

Só ela sabe a humildade das palavras por interposta pessoa.

(23/06/2011)
Composição Em Rosa e Verde (1931), Cathleen Man

Sem comentários:

Enviar um comentário