quinta-feira, 5 de abril de 2018

Índice Médio de Felicidade, David Machado

É possível quantificar a felicidade? Partindo do pressuposto que sim, David Machado oferece-nos o périplo de um personagem em busca e em constante confronto daquilo que considera o seu plano para atingir a felicidade. É uma viagem atribulada, como convém a qualquer putativo herói, e vivida entre a solidão e uma galeria de personagens, todas à procura das suas próprias respostas ou das respostas possíveis.
Ora, esta leitura deixou-me com mixed feelings. Porquê? Primeiro, porque havendo várias ideias interessantes, estas atropelam-se umas às outras e acabem por não ser exploradas de modo a preencher as nossas expectativas leitoras. A ideia de – em plena crise mundial – se explorar o conceito de felicidade é aliciante. Mas as reflexões, sempre à mercê de uma visão unilateral do protagonista, ficam aquém do que poderiam ser. E sendo explorada unicamente a visão do protagonista, Daniel, há consequentemente visões que seriam certamente muito interessante e se perdem, o que me deixou uma sensação de insuficiência. Há tanto que eu queria saber sobre outras personagens, como Xavier (o que talvez desse para todo um romance). Então e as personagens femininas, Marta e Clara? Estas personagens são completamente passadas ao lado e teriam tanto para nos dizer. Ou, pelo menos eu, gostaria tanto de as ouvir. São duas super-mulheres que além de ter de lidar com a mesma crise que os seus maridos, ainda têm de lidar com a sua incapacidade para lidar com verdadeira batalha de aguentar o forte familiar. São duas penélopes a gerir a ausência dos seus ulisses.
Mas, helas, ulisses parte porque está apenas a ser o que se julga esperar de um homem. E esta é uma história de boys being boys. Daniel insiste no mesmo plano, mesmo quando todos percebemos que o plano já não serve as circunstâncias. Almodôvar, a quem toda a narrativa se dirige, numa espécie de carta ao pai ausente, escolhe o exilio voluntário. E Xavier, bem, esse pelo menos sempre se sentiu desfasado do mundo. Mas também é o único que verdadeiramente tentar ultrapassar os seus limites.
Este livro foi adaptado ao cinema e embora ainda não tenha visto o filme acredito que resulte. Porque toda a narrativa é bastante visual, ritmada e cheia de pormenores de enredo. Nesse aspecto, óptimo. No entanto, falta-me a profundidade de análise das personagens, o que, exatamente considerando o tema abordado, faz tanta, tanta falta.

Editora: D. Quixote | Colecção: | Local: Alfragide | Edição/Ano: 1, Ago 2013 | Impressão: Guide AG, Lda. | Págs.: 2 | ISBN: 978-972-20-5276-4 | DL: 361182/13 | Localização: … (…)

Sem comentários:

Enviar um comentário